Fitó

A chef Cafira Foz e a equipe de seu restaurante Fitó em Pinheiros criaram um lugar de grande sucesso.

Fitó - fachada do restaurante e chef Cafira Foz
Fitó – fachada do restaurante e chef Cafira Foz
foto: Marina Nacamuli

Localizado no Largo da Batata, o Fitó (nome que vem do apelido de infância da chef) está fora da rota dos restaurantes.

Isto é, funciona numa área pouco movimentada durante a noite e ainda assim atrai um grande público.

A inspiração nordestina traz ao local pratos tradicionais do Piauí com apresentações contemporâneas.

Nascida em Fortaleza (Ceará), posteriormente a chef mudou-se, ainda pequena, para Teresina, no Piauí.

Fitó - salão e cozinha
Fitó – salão e cozinha 

Na casa dos avós, Cafira cresceu então em contato com a natureza, entre palmeiras e cachos de buriti e árvores de bacuri.

Dessa forma observava a criação de animais: capotes, galinhas d’angola, porcos e caprinos.

E práticas e rituais culinários, assim como a carne-de-sol e a paçoca (seu prato preferido).

“A proposta do Fitó é ser uma extensão da minha casa, um espaço com amigos e para amigos.

Receitas com uma aura familiar, num ambiente despretensioso.

A principal inspiração acaba sendo o Piauí, Estado onde cresci e tenho familiares,

mas a proposta é uma culinária brasileira sem muitas fronteiras nem rótulos”,

segundo Cafira Foz, sócia do Fitó.

Fitó Bar
Fitó Bar
foto: divulgação

Fitó restaurante em Pinheiros

Em primeiro lugar, o que se vê por lá é uma comida que aconchega, bem temperada, totalmente brasileira, com cara de restaurante mas jeito de feita em casa.

Talvez por essas e outras, porque, além de boa comida, o restaurante é totalmente engajado na bandeira da inclusão, diversidade sexual e igualdade de gêneros.

Bem como, atua em defesa do trabalho dos pequenos produtores, ingredientes e cultura nacional.

Fitó - Dadinho de Tapioca
Fitó – Dadinho de Tapioca 
foto: divulgação

Tudo isso, bem arrematado por um preço acessível, pratos entre R$29 e R$55, acompanha água filtrada.

Afinal, igualmente faz parte da inclusão não fazer um restaurante que apenas poucos podem se dar ao luxo de comer.

O espaço, em pouco tempo, conquistou no Guia Michelin a categoria Bib Gourmand pela excelente qualidade e relação custo-benefício.

E, assim também foi indicado pelo The New York Times como um dos melhores programas para se fazer em São Paulo.

Sem contar as indicações entre melhores do ano do Comer & Beber da Veja São Paulo e do Guia da Folha de São Paulo.

Fitó - Carneiro no Leite de Coco
Carneiro no Leite de Coco
foto: Mario Rodrigues

Fitó – Almoços – Prato do Dia

Da cozinha envidraçada, o menu preparado e servido por uma equipe feminina, oferece pratos do dia nos almoços de segunda à domingo.

Pratos que dão vontade de visitar o local todos os dias.

Assim, às segundas tem o saboroso e bem temperado  Arroz Maria Isabel (arroz com carne-de-sol da casa em cubos, acompanhado de macaxeira cozida e vinagrete de tomates) – R$32;

Terças tem Carne de Panela (acém marinado no molho de tomate, cachaça e tucupi preto, com cenoura, cebola, quiabo e arroz vermelho cremoso) – R$32;

Quartas pertencem aos suínos, Costelinha de Porco (temperada com especiarias e pincelada com geleia de cajá, servida juntamente com legumes do sertão refogados – maxixe, abóbora, quiabo e batata-doce) – R$32;

Às quintas servem Caril de Frango (coxa e sobrecoxa de frango ao leite de coco fresco e especiarias, bem como arroz e quiabo, salteado no óleo de babaçu) – R$32;

Fitó - Carneiro no Leite de Coco

Caril de Frango
foto: divulgação

Para às sextas, Peixe do Dia na Tapioca (peixe do dia, como pescada branca, trilha ou pargo, empanado na tapioca, vinagrete de feijão fradinho, maionese de coentro e arroz) – R$36;

Aos sábados tem o desejado Carneiro no Leite de Coco (pernil marinado e depois cozido no leite de coco fresco e caseiro, assim também acompanhado de cuscuz de milho com manteiga de garrafa e legumes assados) – R$52;

Por fim, os domingos são de Arroz de Capote (feito com galinha d’angola, favas, maxixe e farofa de miúdos com coco) – R$52.

Fitó - Bolinho de Costela de Porco
Bolinho de Costela de Porco
foto: divulgação

Fitó – Menu

Além dos pratos do dia, nos almoços é também possível escolher à la carte.

As opções do menu são as mesmas servidas no jantar.

Então dá pra petiscar bebendo, por exemplo, um Cajuína Sour (R$25)drink que leva cajuína, limão, cachaça artesanal João Mendes prata e clara de ovo.

Quem não quiser alcoólicos pode beber apenas a cajuína gelada.

O suco dourado de caju é patrimônio cultural do Estado do Piauí.

Clarificada e esterilizada, de preparo artesanal, a bebida de fato é resultante da caramelização dos açúcares naturais do suco.

Fitó - Cajuína
Cajuína
foto: divulgação

Abrindo a refeição, entre os petiscos:

Tem a porção de Bolinho de Costela (R$20 – 5 unidades), onde a costela de porco empanada na farinha panko é servida com geleia de pimenta da casa.

Para os apreciadores dos Dadinhos de Tapioca (R$12 – 8 unidades), a porção que mistura tapioca e queijo coalho chega à mesa com saborosa geleia de pimenta.

Já que um pastel vai sempre bem, aqui você pode pedir a unidade de Pastel (R$9) com recheios diferentes como:

Carne de sol com banana da terra ou Bobó de camarão ou Queijo coalho com melaço.

Casquinha de Siri (R$16) é outra opção do restaurante Fitó. O siri catado leva tempero de tomate, cebola, dendê e farofa da casa.

Fitó - Paçoca
Paçoca
foto: Mario Rodrigues

Pratos Principais

Feita na casa a Carne de Sol (R$42)  é selada na manteiga de garrafa e servida juntamente com purê de cará e vinagrete.

Preparada com menos sal e pouco tempo de desidratação, a técnica foi dessa forma trazida ao Brasil pelos portugueses.

No processo de cura, as enzimas da própria carne a amaciam e  nesse sentido potencializam seus sabores.

Apesar do nome, hoje em dia não é exposta ao sol.

A cura do contra-filé é feita em ambiente refrigerado (2º C), por um período curto (normalmente até 3 dias), entretanto suficiente para desidratar um pouco.

Na época, a técnica tinha o objetivo de prolongar a vida útil da carne, suportando as expedições sertanejas e assim também falta de recursos em uma região árida e isolada.

Fitó - Carne de Sol
Carne de sol
foto: divulgação

Outro prato é a Paçoca (R$37) feita  à base da carne-de-sol pilada e farinha de mandioca.

Considerada um alimento completo para sustentar os vaqueiros em suas longas viagens. Daí que se transformou em um dos pratos mais tradicionais do Piauí.

A Paçoca feita na manteiga de garrafa é servida no Fitó com baião de dois, banana da terra e queijo coalho.

Por outro lado a reconfortante Peixada (R$55) também merece destaque.

Preparada com peixe Pintado cozido no caldo com camarão, pimentão, tomate, cebola, leite de coco da casa e dendê.

Acompanha arroz, farofa e abacaxi grelhado.

Para os que não comem carne tem Baião de Dois Vegetariano (R$29).

Servido com arroz e feijão de corda com queijo coalho + legumes do sertão assados (maxixe, abóbora, quiabo e batata-doce), ovo caipira frito e vinagrete

Fitó - Baião de dois Vegetariano
Baião de Dois Vegetariano
foto: divulgação

Extras

Mais um diferencial bastante democrático do restaurante Fitó é a possibilidade de pedir extras.

Em suma dá pra ter repeteco por exemplo de:

Ovo frito R$ 3 – Queijo coalho R$4 – Farofa da casa R$3 – Manteiga de garrafa R$2 – Arroz (100g) R$4 

Purê de cará (100g) R$9 – Baião de dois (100g) R$9 – Paçoca (80g) R$25 – Geléia de pimenta R$3 

Tartar de banana da terra (100g) R$9 e Legumes assados (maxixe, abóbora, quiabo e batata doce) R$9

Fitó - Bolo de chocolate
Bolo de Chocolate
foto: Alessander Guerra

Sobremesas

Posteriormente para adoçar o final da refeição seguem duas dicas:

Bolo de Chocolate 70% de Cacau R$16 – de consistência mais cremosa, o bolo é servido com calda de cupuaçu e nibs de cacau

Ou então, o tradicional Doce de Caju do Piauí, servido com requeijão nordestino.

Enfim, fala a verdade: Depois de ler dá vontade de comer tudo, né?

Eu disse! Visitar várias vezes se faz necessário!

Naturalmente, levar os amigos ajuda, com a condição de dar ao mínimo uma garfada no prato de cada um.

Conversei com a chef Cafira Foz e de acordo com o que ela me disse, deve colocar alguns pratos do dia do almoço também no jantar.

Fitó - Cajuína Sour
Cajuína Sour
foto: Mario Rodrigues

Fitó – Bebidas

Vale destacar que, além das opções de drinks autorais como:

PORENQUANTO (R$32) – Gim Vitória Régia, Nolly Prat, polpa de cupuaçu e bitter da casa.

Ou então, o DIGA MEU BEM (R$25) , que leva Rum, chope, suco de limão, geleia de cajá da casa e hortelã.

Há igualmente clássicos da coquetelaria, caipirinhas e degustação de cachaças artesanais (dose R$18).

Assim, entre as cachaças: Engenho São Luiz de Lençóis Paulista, como 3 anos em barris de carvalho

Ou então, a Sanhaçu Umburana de Chã Grande – PE, que descanda por 2 anos em barris de umburana.

Fitó - Caipirinhas
Caipirinhas
foto: divulgação

Além disso, quem preferir vinhos, o Fitó oferece uma carta enxuta de rótulos nacionais, todos ao preço de R$99 a garrafa.

Por exemplo: Geise Cave Amadeu Brut – Espumante com método tradicional, 80% Chardonnay e 20% Pinot Noir e 12 meses de maturação

Espumante Guatambu Noite do Pampa – Espumante tinto (100% Merlot bem como 18 meses de maturação);

Marie Gabi, um vinho rosé produzido com Cabernet Sauvignon da região de Rosário do Sul na Campanha Gaúcha.

Tinto Don Guerino Reserva Teroldego (6 meses em carvalho francês e da mesma forma 6 meses na garrafa em caves com temperatura e umidade controlada):

Assim também, há refrescos não alcoólicos como Cupuaçu Soda R$7 – Cupuaçu, açúcar e água com gás.

E, igualmente, o Sossega Lampião R$7, que leva maracujá, mel de camomila e água com gás.

Rooftop do Fitó
Rooftop do Fitó
foto: Ludmilla Bernardi

Fitó – Ambiente

A fachada branca com janelas azuis, se apresenta então ao estilo das casas nordestinas.

Sob o mesmo ponto de vista, o logo do Fitó remete às xilogravuras populares, do cordel nordestino.

Antes de mais nada, a dica é ficar no piso superior, um rooftop com deck de madeira e muitas plantas.

Um espaço agradável para compartilhar com os amigos durante o dia ou logo depois do trabalho à noite, onde ganha iluminação que dá charme extra.

O projeto arquitetônico é da dupla Claudia Bicudo e Marta Levy .

Entretanto, a obra foi toda executada por Thomaz Foz, sócio do restaurante.

O salão  apresenta, logo na entrada, o bar 360º (dá pra ficar em torno dele todo) e logo depois a cozinha envidraçada.

Destacando as plantas, madeira de demolição, paredes de cimento queimado e da mesma forma os azulejos geométricos do artista plástico Pedro Ivo Verçosa.

Serviço

www.fitocozinha.com.br

Endereço: Rua Cardeal Arcoverde, 2773

Pinheiros – São Paulo

Tel. 11 3032-0963

Restaurante visitado em novembro/2018

+ Dicas de Restaurantes

Alessander Guerra

Envie uma mensagem