Minha Experiência na The Cordon Vert

557301 3193086959761 891483055 n - Minha Experiência na The Cordon Vert

Hoje inauguramos aqui nesse site de gastronomia, viagem e estilo de vida, uma nova coluna chamada Gastronomia Funcional e nosso primeiro post é Minha Experiência na The Cordon Vert.

Coluna Gastronomia Funcional

Mais que tratar de restrições alimentares, vegetarianismo, etc; o objetivo aqui é mostrar que a vida é cheia de opções, pode ser mais temperada e que existem inúmeros ingredientes que sequer ouvimos falar.

Dessa forma, vamos brincar de possibilidades, agregar, diversificar; enfim, vamos nos permitir!

E para começar essa coluna convidei um chef que tive o prazer de provar um jantar completo; que me surpreendeu do começo ao fim com sua alquimia de especiarias, me oferecendo 12 pratos saborosos e interessantes sem glúten, sem lactose, sem proteína animal e sem eu ter percebido nada disso.

É com você Marcelo Facini!

Cordon Vert 1024x768 - Minha Experiência na The Cordon Vert

Minha Experiência na The Cordon Vert

por Marcelo Facini

Ir para Altrincham, Cheshire na Inglaterra por si só já é uma grande aventura.

A cidade onde se encontra a The Cordon Vert fica a 20 minutos de carro ou trem de Manchester.

Não há vôos diretos do Brasil, assim, a conexão tem que ser feita em algum outro pais europeu, e isto leva um bom tempo.

A cidade de Altrincham é um refúgio para aposentados com alto poder aquisitivo.

Com suas imensas residências e parques, esta cidade propicia o local ideal para descanso e prazer.

É uma cidadezinha charmosa onde parece que todos se conhecem e somos cumprimentados a cada esquina com sorrisos e gestos de boas-vindas.

É claro que, como um bom sagitariano, nada ansioso, não fui dar uma olhadinha na escola antes de se iniciar o curso e cheguei umas três horas antes.

Estava eu, no meio daquele verde imenso pensando comigo se aquele lugar realmente existia.

Uma mansão Vitoriana com jardins no meio de todo aquele verde.

Cordon Vert1 - Minha Experiência na The Cordon Vert

Primeiras impressões

Assim que pisei lá, já me deparei com esquilos e lebres andando pelos jardins da mansão.

Percebendo a minha presença, uma senhora com um sorriso interiorano, que já não se vê mais em cidades grandes, apareceu e me perguntou se ela poderia me ajudar com algo.

Mencionei que eu era um aluno do curso de chef gourmet e que tinha chegado antes do previsto e que aproveitei para conhecer o lugar.

Ela se apresentou como Lyn e disse para eu ficar à vontade mas que o encontro se iniciaria somente às 18 horas.

Confirmei que sabia e falei que eu iria conhecer o prédio e o escritório da Sociedade Vegetariana da Inglaterra que ficava ali mesmo, em uma entrada ao lado.

Estranhamente, mencionar que era brasileiro, não era como em outros lugares onde já haviam recebido e conhecido outros brasileiros.

Eu, pelo jeito, era uma raridade e se espantaram em saber que eu tinha cruzado os mares só para estar com eles naquele curso.

Chef Alex Connell

Após alguns minutos, o Chef Alex Connell veio me convidar para um café ou chá (claro, estava na Inglaterra, tem que ser chá mesmo).

Ele se apresentou como instrutor do curso e começou a fazer inúmeras perguntas sobre o que eu fazia, qual era a minha especialidade, como era o mercado no Brasil para a culinária gourmet vegetariana, etc, etc, etc.

Depois de quase uma hora conversando, notei que a sua educação inglesa poderia se esgotar , então o agradeci.

Ele me disse para eu ficar por lá tomando mais chá e lendo os livros na biblioteca até que o curso começasse.

Falei que preferiria conhecer a região ali da escola e imediatamente ele me sugeriu ir a um parque logo ao lado, o Dunhan Massey.

Foi a melhor decisão que eu poderia ter tomado naquele dia. Olha só o que encontrei por lá:

Cordon Vert2 1024x485 - Minha Experiência na The Cordon Vert

Banquete de Boas-Vindas!

Aproveitei e segui também a sugestão do Alex de ir conhecer o restaurante do prédio principal e tomar um outro chá, mas desta vez, quis experimentar um bolo de gengibre, que estava acenando para mim insistentemente pedindo para ser devorado.

Após o meu quarto chá, retornei para a The Cordon Vert para a recepção que seria feita para os chefs internacionais.

Surpresa foi saber que o curso seria mais que exclusivo, uma turma de somente três chefs internacionais, dentre quatro que geralmente recebem a cada três ou quatro meses!

As minhas parceiras foram duas chefs vegetarianas donas de escolas de culinária, as duas com origem indiana. Sunita Jordan, da África do Sul e Shalu Asnani (de branco) de Singapura.

Mulheres maravilhosas que tornaram o curso ainda mais delicioso com suas inovações culinárias e conhecimento das especiarias.

Fomos recepcionados com um banquete imenso de pratos delicadamente decorados e apresentados como uma possível ideia do que poderia ser um jantar para amigos íntimos.

Terminamos o jantar por volta das 21h e então retornamos aos nossos hotéis.

O Alex mencionou que os dias pela frente seriam atribulados. E que dias!!!

Cordon Vert Marcelo3 1024x769 - Minha Experiência na The Cordon Vert

Aulas no The Cordon Vert

Estes dias começavam às 9 horas da manhã e praticamente finalizavam quase que às 8 horas da noite.

Tínhamos 15 minutos de intervalo entre uma jornada e outra.

A agenda consistia em um treinamento inicial sobre algum tema relevante como a identificação de ingredientes e produtos que poderiam ser classificamos como vegetariano, vegano ou nenhum dos dois; aulas de nutrição e consultorias sobre gastronomia vegetariana.

Fiquei impressionado com a quantidade de produtos que eu acreditava serem veganos, mas que não eram nem mesmo vegetarianos pois eram produzidos com enzimas do estômago de animais como por exemplo: vinhos, queijos, especialmente o parmesão entre outros produtos.

Foram instruções esclarecedoras e transformadora para todos nós.

As Aulas

Nos dias seguintes tivemos aulas de nutrição para chefs, aulas sobre a cultura da alimentação sem carne, a questão da sustentabilidade e meio-ambiente, e assim por diante.

No quesito culinária, tínhamos que escolher de dois a três pratos para serem preparados para o nosso almoço, que seria servido às 14h.

Bem, neste momento já fiquei pensando que estaria morrendo de fome por volta deste horário e que isto me daria um mau-humor danado.

Novamente fui surpreendido, pois todos os dias, também tínhamos degustações de produtos vegetarianos e veganos, e que nos deixaram plenamente satisfeitos, e tenho que confessar, até demais.

Era um festival de pratos e produtos que tínhamos que provar diariamente!

Santo hotel que ficava a mais de um quilômetro da escola e que me forçava a andar…caso contrário, iria ter que rolar até lá depois de alguns dias.

Cordon Vert Marcelo1 1024x412 - Minha Experiência na The Cordon Vert

Churrasco vegetariano

Um dos dias que mais me marcou foi o dia de um churrasco feito totalmente com produtos vegetarianos.

Eu não conseguia diferenciar o gosto e textura do hambúrguer, da salsicha do frango e peixe do que seria o produto animal de fato.

Eles possuem lá os produtos da marca Quorn que são feitos à base de uma microproteína extraída do fungo Fusarium Venenatum, um tipo de cogumelo.

De acordo com o thedailyplate.com, 90 gramas de Quorn granulado contém 13 gramas de proteína. Isto é comparável a 15 gramas de proteína em uma porção de 90 gramas de carne moída. Já o Quorn frango vegetal tem 12 gramas contra 18 gramas de proteína de carne de frango, respectivamente.

Os dias foram cheios de atividades e mal conseguíamos descansar.

Cada prato preparado era discutido e analisado profundamente.

Os ingredientes utilizados, as possíveis substituições (sem glúten, sem lactose, sem ovos, etc), as melhorias, a apresentação, a época do ano mais propícia para preparação, as sugestões e o que tínhamos que aprender com cada um dos pratos.

A superação era exigida de todos nós e isto nos motivava a fazer cada vez melhor.

Cordon Vert Pratos - Minha Experiência na The Cordon Vert

Almoço Teste Final

O último dia chegou e era o momento de provarmos os nossos conhecimentos.

Não sabíamos os produtos que estariam disponíveis e nem as restrições alimentares que nos seriam informadas.

Teríamos uma hora e meia para preparar três pratos completos sendo: uma entrada, um prato principal e uma sobremesa e apresentá-los a um grupo desconhecido de jurados informais.

Cordon Vert teste final 1024x582 - Minha Experiência na The Cordon Vert

Foi feito um sorteio entre nós chefs e cada um retirou o seu papel contendo a restrição dos seus clientes.

O da Sunita foi a restrição de cozinhar sem alho e sem cebola.

Engraçado que no dia anterior ela mencionou que NUNCA havia cozinhado sem alho ou cebola e que esta restrição seria muito difícil para ela.

A Shalu não pôde tirar nada melhor que a sua própria restrição alimentar, ou seja, sem ovos.

E eu, fui sorteado com a restrição vegana, ou seja, sem qualquer produto animal.

Mão na massa!

Até este momento estava tranquilo, mas ao chegar na cozinha e ver os produtos disponíveis, surtei!

Não conseguia pensar em nada e ainda por cima eram produtos que eu não estava normalmente acostumado a utilizar.

Após 30 minutos pensando, comecei a cozinhar, nem sabendo o que sairia dali.

Era permitida a troca de produtos entre nós, assim, cedi todos os produtos animais que estavam em minha caixa para as minhas colegas.

Bem, após o tempo permitido para a preparação (não sobrou nem mesmo um minuto), levamos os pratos para o nosso comitê.

Eram umas 25 pessoas ávidas para experimentarem a culinária dos três chefs internacionais.

Cordon Vert Almoço final1 1024x793 - Minha Experiência na The Cordon Vert

Todos aprovaram os nossos pratos e passamos com louvor.

Agradecemos o nosso professor e auxiliares que tornaram o nosso desafio mais leve. O Steven, o Alex Connell e a Lyn.

Cordon Vert Marcelo2 1024x515 - Minha Experiência na The Cordon Vert

Enfim, esta foi a melhor experiência gastronômica de minha vida.

Aprendi muito, troquei ideias, receitas e conquistei novos amigos.

Não vejo a hora de poder apresentar para os meus clientes alguns destes pratos tão maravilhosos e mostrar o quanto que podem ser saudáveis.

Somos o que comemos, então gente, vamos comer bem, né??!

Chef Marcelo Facini

Gastronomia Funcional

Alessander Guerra

2 Comentários

  1. Ale, parabéns pela iniciativa, a porta aberta às novas propostas. A reportagem está muito boa, bem escrita, completa e bem descrita – as foto sào um luxo extra.
    Espero poder ler mais e também algumas receitas da cozinha Vert!

  2. Alessander, parabéns pela iniciativa de criar uma coluna dedicada à Gastronomia funcional. Marcelo, sucesso! Sempre!

Envie uma mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA
Refresh

*