Bolo inglês de passas e nozes

Cumishbrot thumb1 - Bolo inglês de passas e nozes

No post anterior falei sobre um pouco da história do Pessach, Páscoa Judaica, que se inicia na noite de hoje. Agora no nosso blog de gastronomia, mais um pouco sobre a culinária judaica. Outra receita de Pessach: Bolo inglês de passas e nozes  (CUMISHBROT) preparada pelo bufê  Casa Monica Dajcz.

Além da saborosa receita do Bolo inglês de passas e nozes,  no final da matéria escrevi um pouco sobre a simbologia dos alimentos nessa comemoração.

 

CUMISHBROT – Bolo inglês de passas e nozes –  receita de Casa Monica Dajcz

Ingredientes:
6 ovos separados
250g açúcar
250g óleo
Raspas de limão
500g farinha de matzá
Passas e nozes

MODO DE PREPARO

Untar duas formas de bolo inglês com óleo e forrar com papel manteiga, reserve .

Com uma colher de pau ou velocidade mínima da batedeira, pois as gemas não podem esbranquiçar.

Misturar as gemas com açúcar, acrescentar óleo.

Farinha de matzá e raspas de limão. Bater as claras em neve e acrescentar a mistura.

Colocar a massa até metade da forma, salpicar com as passas e nozes e colocar o restante da massa (as passas e nozes são pesadas para a massa. Esse procedimento evita que fiquem no fundo).

Salpicar açúcar e assar.

 

Conheça a simbologia dos alimentos do Pessach:

Matzá – alimento básico da festa, é uma espécie de bolacha não fermentada feita de farinha de trigo e água, sem sal nem açúcar. Como observa o rabino Pinchas Stolper, o pão é considerado o alimento básico, mas a matzá é o pão mais básico ainda, a comida mais simples feita pelo homem. A matzá inclui a mistura dos três elementos essenciais que definem o homem civilizado: grão, água e fogo. Ela representa também o pão da miséria que foi comido pelos judeus na terra do Egito e desperta a consciência de que ainda há muitas pessoas desprivilegiadas em nossa época. Quando comemos matzá, interiorizamos a humildade.

Zroá – Pedaço de osso de cordeiro ou galinha grelhado – simboliza o poder com que Deus tirou os judeus do Egito e recorda o carneiro pascal, que era sacrificado no Templo de Jerusalém.

Maror – Raiz forte – erva amarga que remete ao sofrimento dos judeus escravos no Egito.

Charosset – Mistura de nozes, canela, cravo, passas, maçã e vinho tinto- representa a argamassa com a qual os judeus trabalhavam na construção das edificações do faraó. Ainda que lembre o trabalho escravo, sua doçura traz a esperança de liberdade.

Beitzá – Ovo cozido – Depois da destruição do Segundo Templo em Jerusalém, pelos romanos, tornou-se impossível celebrar os sacrifícios do Pessach. O ovo os substituiu e serve de lembrança aos antigos sacrifícios.

Karpass – Salsão – a verdura molhada em vinagre ou água salgada representa as lágrimas derramadas pelos judeus no Egito.

Os alimentos são colocados em um prato especial (“keará”) em frente ao lugar do chefe da família. Ao lado, coloca-se uma vasilha com água salgada, para lembrar as lágrimas derramadas durante o período de escravidão. Nessa água, devem ser molhadas todas as verduras antes de serem levadas à boca.

 

Informações enviadas pela Conib, presidida por Claudio Lottenberg e pela Fisesp, presidida por Boris Ber

Alessander Guerra

5 Comentários

  1. >Oi Alessander

    Amei este post com a historia dos alimentos da pascoa judaica.
    Gostaria de publicar no meu blog,claro citando a fonte.
    Voce pode autorizar?

    Abraço

    Paulo José

  2. >Ale,
    suas iniciativas são sempre muito bacanas.
    Amei o post, a receita e as informações precisosas que nos fazem respeitar e gostar da cultura de outros povos.
    Parabéns!

Envie uma mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA
Refresh

*