>Botequim da Estação

>

Bife%20Parmegiana Botequim%20da%20Esta%C3%A7%C3%A3o thumb%5B3%5D - >Botequim da Estação

Filé ou Bife à Parmegiana é daqueles pratos que quase não encontramos mais por aí. Aliás, muitos pratos que eram cotidianos naqueles cardápios de couro preto com folhas brancas impressas recobertas por plástico e costuradas, estão cada vez mais raros.  Cortar a carne com colher para servir, hoje é praticamente um luxo. Um luxo que você encontra, geralmente, em algumas casas muitos antigas, periféricas e com garçons trajando calça preta, camisa branca e gravata borboleta.

A Era da Gastronomia, recheada do povo que critica excessos: de recheios, de molhos, de temperos; que detesta os gratinados e abomina a abundância -como se ela por si só já fosse um erro- relegou esses pratos a uma categoria menos nobre. Bem longe da gastronomia correta! Aliás, comida correta prá mim é uma coisa estranha, uma vez que alimento é um ser inanimado que não tem o dom de se desvirtuar. Nunca vi um pedaço de carne preso por ter andado fora da linha. E nem mesmo um feijão com antecedentes criminais.

Ainda bem que basta pegar o carro e dirigir alguns km da cidade de São Paulo, para encontrar-se com um tempo onde alimentar era um verbo diferente. E assim cheguei ao Botequim da Estação, um restaurante que fica exatamente na plataforma da Estação da cidade de Jaguariúna. Sim, lá você come enquanto o passado, em forma de Maria Fumaça, chega e sai, apitando em horários combinados. E nos encontros e despedidas dessa estação, onde quem parte dentro de 1h30 ou 3h30 chegará (de acordo com o trajeto escolhido); é possível apreciar a paisagem e sentir um outro sabor. E não é sabor de nostalgia, é de um molho de tomate gostoso, de um imenso filé que se desmancha ao toque da colher e de uma mussarela saborosa e encorpada que puxa, puxa, puxa, sem medo de se espalhar em fio pela mesa de madeira gasta e nem de se abrigar no queixo do glutão feliz.

E o preço é totalmente digesto, a porção para 2 dá até para 4 pessoas. 

 

Aproveitando, o Botequim da Estação, uma composição do Milton Nascimento que emociona porque fala das pessoas que passam, que vem e que vão. É a vida!

 

Encontros e Despedidas

Composição: Milton Nascimento e F. Brant

Mande notícias do mundo de lá
Diz quem fica
Me dê um abraço, venha me apertar
Tô chegando
Coisa que gosto é poder partir
Sem ter planos
Melhor ainda é poder voltar
Quando quero

Todos os dias é um vai-e-vem
A vida se repete na estação
Tem gente que chega pra ficar
Tem gente que vai pra nunca mais
Tem gente que vem e quer voltar
Tem gente que vai e quer ficar
Tem gente que veio só olhar
Tem gente a sorrir e a chorar
E assim, chegar e partir

São só dois lados
Da mesma viagem
O trem que chega
É o mesmo trem da partida
A hora do encontro
É também de despedida
A plataforma dessa estação
É a vida desse meu lugar
É a vida desse meu lugar
É a vida

(fonte: https://letras.terra.com.br/maria-rita/73647/)

Alessander Guerra

3 Comentários

  1. >O centro de São Paulo (e Santos) tem muitos desses restaurantes ainda, com ambientes e pratos de primeira qualidade e onde os garçons te chamam pelo nome. Posso sugerir o Itamaraty e o da Sogra (nas imediações do Largo São Francisco), o Maria Paula (na rua de mesmo nome) e o famoso Bar Brahma, na Ipiranga X São João.

  2. >Obrigado pelas dicas Fabi!

    Bom que tenha registrado nos comentários, assim todos que passarem por aqui terão acesso.

  3. >Olá.

    Envie seu link para o Midiafire.

    Nossa proposta é divulgar seu blog/site.

    Desejamos que você tenha muitos cliques e aumente suas visitas.

    Faça-nos uma visita.

    Sucesso!!

Envie uma mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA
Refresh

*