>Chefs na Escola

>

Roberta Sudbrack e merendeiras Chefs%25255B2%25255D - >Chefs na Escola

Chef Roberta Sudbrack e merendeiras do projeto Chefs na Escola: recriando a merenda (foto: Carolina Amorim)

 

Um intercâmbio entre chefs de cozinha e merendeiras de escolas públicas, esse é o projeto social idealizado por Juliana Dias e coordenado pela Malagueta Comunicação com o apoio da Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro, da Coordenação de Alimentação Escolar e do Observatório da Educação CAPES/INEP – Núcleo Local NUTES/UFRJ. O objetivo é contribuir para fortalecer o vínculo com a alimentação local por meio de atividades educativas, indo bem além da refeição preparada pelo chef e merendeiras para a degustação das crianças.

O projeto está baseado na Lei da Alimentação Escolar (11.947/2009), que estimula o desenvolvimento da agricultura familiar, as práticas em educação alimentar e a promoção da saúde. A Lei prevê que, no mínimo, 30% da compra de alimentos para o preparo das refeições escolares seja adquirida da agricultura familiar, priorizando os orgânicos ou agroecológicos. Para o segundo semestre de 2011, a Coordenação de Alimentação Escolar selecionou dez gêneros alimentícios produzidos no Estado para incluir no cardápio da rede estadual. São eles: banana, mandioca, abobrinha, cenoura, ovo, tomate, arroz, abóbora, tangerina e bananada.

Os chefs escalados para esse semestre foram: Teresa Corção (O Navegador), Claude Troisgros (Olympe), Roberta Sudbrack (RS), Frédéric de Maeyer (Eça) e Ludmilla Soeiro (Zuka). As receitas propostas por eles serão incluídas no cardápio oficial das escolas do Estado do Rio de Janeiro.

Funciona assim:

Uma vez por mês uma escola Estadual do Rio de Janeiro é escolhida

Antes do almoço, as crianças participam do “Recriando a Merenda”, proposto pelo grupo de pesquisadores do Observatório da Educação- CAPES/INEP – Núcleo Local NUTES/UFRJ, que desenvolve estudos na área de alimentação escolar. É exibido um vídeo "Caminhos da Alimentação Escolar"  e  acontece um bate papo sobre o papel da merenda.

Depois do almoço, as crianças fazem críticas avaliando o sabor e apresentação da comida do chef e das merendeiras.

Nem preciso falar que esse é o tipo de projeto necessário em todos os Estados do Brasil. A educação e a alimentação andam juntas, como dizia meu avô: “Saco vazio não pára em pé”.

Alessander Guerra

3 Comentários

Envie uma mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA
Refresh

*